Novo selo ‘pet friendly’ certifica hotéis que recebem bem os animais

O Brasil ganhou um novo selo que certifica hotéis e pousadas com serviços para animais que viajam com seus tutores.
 .
A certificação foi criada no fim de 2012 pelo Portal Turismo 4 Patas, que desenvolve conteúdo especializado em viagens com animais e organiza passeios de ecoturismo para cães e seus tutores.
 .
Segundo Larissa Rios, idealizadora do portal e do selo, o “Sistema de Classificação de Meios de Hospedagem Pet Friendly” é o primeiro do tipo no Brasil. “Ele foca na avaliação exclusivamente de serviços e estruturas voltados para animais. Não vemos o luxo, a qualidade da roupa de cama, nada que seja restrito aos humanos”, afirma.
 .
O hotel ou a pousada que quiserem receber a certificação precisam pagar uma taxa e atender a alguns requisitos, desenvolvidos com a ajuda de viajantes que costumam levar seus animais em viagens.
 .
Entre os critérios estão a presença de lixeiras exclusivas para as fezes dos bichos e de bebedouros com água fresca para os animais, a possibilidade de dormir no quarto com o tutor, a existência de convênios com pet shops e veterinários e a receptividade em geral.
 .
“Existe uma grande diferença entre aceitar animais e ser ‘pet friendly’. Tem lugares que aceitam, mas o cachorro tem que andar no colo o tempo todo. Já outros vão além: oferecem kit hospedagem com petiscos, tapete higiênicos e mantinha ou têm espaços para que o tutor possa fazer as refeições acompanhado do cachorro, por exemplo”, diz Larissa.
 .
Os requisitos podem ser obrigatórios ou eletivos, dependendo do nível de classificação pretendido pelo estabelecimento: Standard, Premium ou Super Premium. Um avaliador é enviado ao local para checar se todos os serviços são oferecidos.
 .
Se o estabelecimento for aprovado, ele recebe um manual de hospedagem, com orientações sobre  cachorros e procedimentos ideais, treinamento especial para os funcionários e um pacote de divulgação no site Turismo 4 Patas.
 .
Para Larissa, a opção de hospedagem “pet friendly” no Brasil não é tão ampla quanto em outros países, mas está aumentando. Há cinco anos, no sistema de busca de seu site, havia 300 estabelecimentos que aceitavam animais cadastrados. Hoje, são 1.000.
 .
“Antes muitos lugares até aceitavam bichos, mas não queriam divulgar, porque achavam que poderia afugentar os hóspedes que vão sem animais. Mas agora isso está mudando. Alguns proprietários perceberam que é uma fatia de mercado que está crescendo, e que muita gente deixa de ir a um hotel quando não aceita animais”, afirma.
 .
Esse site internacional PetsWelcome também tem dicas de viagem com animais e hotéis pet friendly.
 .
E lembre-se, nunca compre, adote. E adote por amor, não por raça. Animais não são produtos. E nem brinquedos, .portanto, o que eles precisam não são roupões e luxo, mas estarem perto de você.

Fonte: Agência de Notícias de Direitos Animais – Anda News.

Anúncios

Relembre o Oscar, cão adotado que viajou o mundo e inspirou mudar destinos

Em San Francisco 
Um simpático cãozinho sem raça definida, chamado Oscar,  viu a sua vida mudar para melhor graças a sua tutora Joanne Lefson, que em 2004 o adotou em uma Ong (a SPCA) na África do Sul.
Joanne tinha vontade de mostrar as pessoas sobre a importância da adoção. Então ela criou o projeto World Woof Tour, onde ela e o cão Oscar viajaram em 2009 por vários países, passando por 66 organizações voltadas a causa animal, com o objetivo de alertar sobre os tantos cães desabrigados que precisam de um lar. Nunca antes esteve um cachorro a frente de um projeto como esse, e principalmente por acompanhar a tutora em todas as viagens.
O cão teve o seu passaporte marcado por 36 países e passou em lugares como Roma, Egito, Paris, Disney, Peru, Nova Iorque, Amazonas, Índia, China e até o Rio de Janeiro, entre outros.
O projeto continua , mas infelizmente Oscar faleceu em janeiro desse ano em um trágico acidente de carro, mas teve a chance de ter sido amado e ainda ajudou muitos animais carentes.
Joanne escreveu uma homenagem  para o companheiro: “Não acredito que você se foi, mas suas memórias vão continuar em mim para sempre, e seu coração vai continuar batendo através dos incontáveis cães que tiveram uma segunda chance como um resultado direto do seu bom exemplo e sua vida inspiradora”, disse.

Oscar visitou esse santuário que abriga muares resgatados da exploração. Lindo e necessário. – Índia.

“Orgulhosamente adotado. – Não compre Adote.”

Andando de helicóptero em Nevada! Essa, nem a gente ainda!

Fazendo novos amigos. Todos merecem a paz e o amor, independente da espécie. Nos santuários que abrigam e não exploram para entretenimento são assim.

Essa é engraçada! Olha a cara do Oscar no colo do Snoopy em Hollywood!

Viajando junto com a tutora na cabide de passageiros! A melhor opção. Veja dicas de viagem aqui.

De boa na lagoa. Em Colorado.

Em Buenos Aires. Veja nossa viagem para lá aqui.

Fofurices!

Hola, amigos!

Quer adotar? Dá uma olhada aqui.

Referências:
Turismo4patas
G1
Página do Oscar no Facebook.

Viajante legal não abandona animal

Em períodos de férias e feriados prolongados, enquanto muitos viajam, aumenta-se consideravelmente o número de animais abandonados. O abandono é uma ação criminosa, consequência da objetificação do animal e da falta de responsabilidade daqueles que pensam muito vagamente sobre suas atitudes com os outros. Ao adotar um animal, você o integra à família, o incluindo nos planos futuros, inclusive quando surgem dificuldades. E para quem está pensando em viajar, tem um animal na família e quer encontrar soluções éticas, seguem algumas dicas para ajudar a aproveitar as férias sem causar sofrimentos:
 .
– Não deixe o animal sozinho em casa com ração e água à vontade para alimentá-lo até o dia em que voltar de viagem. A comida acabará antes do tempo ou estragará e a água ficará suja. Além disso, a comida exposta tende a ficar com larvas de insetos, causando verminoses ao animal. Se tiver mais de um animal na casa eles poderão brigar pelo alimento. Ratos e insetos também serão atraídos pelo alimento exposto. O animal também poderá ficar deprimido e latir muito com a falta do tutor, além de sofrer acidentes.
.
– Há serviços particulares, como os hotéis próprios para animais. Verifique pessoalmente as condições de bem-estar que o hotel proporciona aos animais e o tratamento dispensado pelos funcionários. Procure por indicações.
 .
– Fale com colegas, amigos ou familiares que também tenham animais na família. Tente fazer uma permuta: tome conta do animal deles quando estes viajarem de férias e eles ficam com o seu quando chegar as suas férias.
 .
– Informe-se sobre serviços de cuidados aos animais que vão até a sua casa. É uma boa solução, pois os animais não se vêem privados do ambiente familiar. Uma alternativa é combinar esse serviço com um vizinho que goste de animais.
 .
Se puder, leve o animal consigo na viagem. Para isso é necessário alguns cuidados:
 .
– Antes de viajar, certifique-se que o hotel aceita animais e quais as condições exigidas.
 .
– Caso queira viajar para o exterior com o seu amigo cão e/ou gato, tome as devidas precauções com a documentação deles. Geralmente precisam da carteira de vacinação e estarem devidamente castrados. O transporte de animais entre países exige o Certificado Zoossanitário Internacional (CZI). O documento é emitido pela autoridade sanitária do país de origem. No Brasil, o CZI é expedido pelo Serviço de Vigilância Agropecuária Internacional (Vigiagro), órgão vinculado à Secretaria de Defesa Agropecuária (SDA), por meio dos 106 postos distribuídos em aeroportos, portos e em pontos de fronteira.
 .
– Para viagem de avião, caso o animal tenha menos de 10 quilos, dê preferência a viajar com ele na cabine de passageiros. Há uma taxa, mas é menos estressante para ele por estar com você. Mas procure saber das restrições quanto a idade, tamanho e tipo de caixa de transporte.

– Para viagem de carro, o animal deve permanecer no banco de trás acompanhado, com cinto de segurança específico ou em caixa de transporte para não pular para o banco da frente. A abertura da janelas deve ser em um limite que não permita o animal saltar nem colocar a cabeça para fora, pois causa otite e outros problemas. Além de ser infração grave prevista pelo Código Brasileiro de Trânsito. E nunca deixe o animal preso dentro do carro sozinho! Isso pode ser fatal para ele, que pode morrer de hipertemia.

– Quando parar durante o percurso, passeie com o animal durante uns minutos para que ele possa se movimentar, o que o acalma para o resto da viagem e também para satisfazer as suas necessidades fisiológicas (não se esqueça de levar um apanhador de dejetos).
 .
– Ao viajar com o animal, este deve estar devidamente identificado com a plaquinha na coleira onde conste o nome dele e o seu número de telefone com DDD.
 .
– Não esqueça de fazer a malinha dele: Guia e coleira com placa de identificação, atestado de saúde feito por verterinário, carteirinha de vacinação, ração, potes para comida e água, petiscos, medicação que o cão costuma tomar, caminha, paninhos, lenços umedecidos e saquinhos, e telefone de um médico na cidade para onde estão indo, para casos de emergência.
 .
Abaixo, veja um curto e tocante vídeo de campanha contra abandono, mostrando que animal não é uma ‘coisa’ para ser descartada. Se você não tem capacidade de cuidar de um animal, NUNCA pegue um. Faça esse favor por ele. Abandono é uma violência e um crime.

http://www.youtube.com/watch?v=Il9guelGulI

.

Referências:

União Libertária Animal: http://www.uniaolibertariaanimal.com

Blog Vegetariando por aí: https://vegetariandoporai.wordpress.com/

Ministério da Agricultura: http://www.agricultura.gov.br/animal/animais-de-companhia/transporte-internacional

Voe Azul: http://www.voeazul.com.br/servicos/embarque-animal-estimacao

Matéria “Aumento expressivo no abandono de animais”: http://www.hojeemdia.com.br/minas/aumento-expressivo-no-abandono-de-animais-inclusive-nas-ferias-1.83098

Lei Federal Ambiental 9605/08 artigo 32.